Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mima Contando

Mima Contando

Cozinha com eles- mousse de manga

Mima Contando, 05.08.20

mousse

Hoje, para fugir um bocadinho à literatura, o post é sobre culinária.

Uma ótima opção de sobremesa pouco calórica, rápida e fresca para estes dias de verão, é mousse de manga. Além de só levar 3 ingredientes, fica pronta  depois de pouco tempo no frigorifico, e os pequeninos podem fazer sozinhos.

Perguntei à boneca se queria fazer uma sobremesa e lá foi ela toda contente buscar a sua cadeirinha, para chegar à bancada. É nestes momentos que se sentem mesmo crescidos e orgulhos, pois a mamã já confia neles para fazer os doces.

Os ingredientes são muito simples, 1 lata de polpa de manga, 4 iogurtes de sabores, uma pitada de gelatina em pó (3-4g).

 

Tentei com iogurtes naturais e uma saqueta de 10g de gelatina em pó e não resultou , foi a repulsa automática da sobremesa.

Disse que era horrível, que nunca mais comia aquilo, que a mamã não sabia fazer sobremesas como as avós.

Sim, os seres que pusemos no mundo conseguem ser piores do que aqueles que se escondem nas redes sociais atrás de teclados, na hora de nos criticar.

 

Ingredientes na bancada, é-lhes incutida a tarefa de os retirar das respetivas embalagens e mexer, mexer, mexer, que o fazem com muito afinco e concentração.

E pronto está feito! Agora é só colocar nas tacinhas e lamber a taça maior onde foi feita.

A loiça da foto é arte. Made in das Caldas da Rainha de um artesão que tem uma  lojinha de frente para o jardim! Perco-me!

Beijinhos,

Andreia D.

1 minuto de poesia - A caminho da escola

Mima Contando, 03.08.20

escola

 

Em tempo idos as crianças iam caminhando para a escola, encontrando pelo caminho os seus amigos. Percorriam por vezes vários kms a  pé para poderem ir às aulas, mas faziam-no alegremente. O amigo e poeta  Aires Plácido , compartilha connosco um poema  desses tempos. 

 

 

 

A caminho da escola

 

" Olhem: lá vai o Gonçalo

a caminho da Escola... além...

Vamos depressa apanhá-lo,

vamos com ele também.

Tem sido meu companheiro

da primeira à quarta classe:

pontual como o primeiro,

nunca vi que ele faltasse.

 

É bondoso e aplicado

cortês e respeitador;

por isso é tão estimado

pelo nosso professor.

Não é tolo nem se gaba

de saber sempre as lições;

conforme começa, acaba,

modesto, sem pretensões.

Lá vai: nunca se demora

no caminho a conversar,

chega sempre antes da hora:

é um aluno exemplar!

Rapazes! vamos a ver

se sabemos imitá-lo!...

se podemos proceder

em tudo como o Gonçalo "

 

Andreia D.

Hora de Ler- Capuchinho Vermelho do séc XXI

Mima Contando, 01.08.20

capuchinho

 

Este livro da Porto Editora da autora Luísa Ducla Soares e ilustrado por Maria João Lopes, foi-me sugerido para ler à pequena, e para fazer a review, por ser daqueles que vêm desconstruir os contos clássicos que vamos contando as crianças. É feito um paralelismo entre o tempo em que foi escrito o famoso conto, e os dias de hoje.

E se a Capuchinho Vermelho saltasse para o séc. XXI o que acharia?

As mães trabalham fora o dia todo e não têm tempo para fazer bolos?

As avózinhas afinal são ainda muito activas, com muita coisa para ensinar aos netos?

Os lobos não se devem matar porque são uma espécie ameaçada?

Que era tão estranha!!!!

Quererá a capuchinho voltar para o séc. XVI ou ficar connosco neste século?

 

Não sei porquê, mas volvido já 1/5 do séc. XXI, continuamos a incutir nas crianças valores e maneiras de ver o mundo do Séc. XVI, sem pensar muito bem nas mensagens antipedagógicas que lhes estamos a passar. Talvez porque as temos enraizadas desde nossa infância ou talvez também porque os media, nos canais de bonecos para crianças, perpetuam estas histórias..

Mas há mais, muitas mais histórias, que podem ser lidas e contadas com valores e crenças do nosso tempo, basta que nos importemos e percamos tempo a procurar, ou pedir ajuda dos livreiros.

Aqui fica também um apelo desafiante aos educadores de infância na procura de livros mais didáticos e não se limitem apenas a contar os clássicos. Pelo menos, se o fizerem, expliquem-lhes que foi escrito em outra época numa realidade totalmente diferente da actual.

Andreia D.

1 minuto de Poesia- Notícias do Quintal

Mima Contando, 30.07.20

NOTICIAS

 

Foi convidado um amigo Aires Plácido, poeta, também amante das letras e da natureza, a escrever um poema para os mais pequeninos.

A poesia faz parte da nossa identidade, de nós como portugueses, que a cantamos à séculos, muita dela passada de boca em boca, de pais e avós para filhos e netos. A Poesia deve ser incutida nas crianças desde pequeninas para que com o jogo de palavras e rimas, eles próprios possam com a sua imaginação começar também a usa-la.

 

Deixamos assim este divertido poema, para que em 1 minuto a possam ler aos pequenos e incutir-lhes o gosto.

Divirtam-se.

 

“Truz! Truz! — Quem é?

— Sou o pardal Benvindo!

— Que queres de mim?

—Trago notícias do teu quintal!

—Diz lá Benvindo que tens para me dizer.

— A Floribela tem seis filhotes

Mas a comida é pouca,

E anda como uma louca

A perseguir os pardais.

Os pardais, os gafanhotos,

E tudo quanto mexe.

E o sapo corcunda por lá de olhos no chão!

—Mas por que razão?

— A rã Mafaldinha pôs-lhe as malas ao portão!

— Oh, que injustiça!

E tanto que ele gosta dela.

— Pois, mas, a Mafaldinha foi dar com ele a atirar beijos à sapinha Anastácia.

— Só por isso? Coitado!

Deve estar desconsolado.

Ingratidão! “

Viagens com piada

Mima Contando, 22.07.20

 

viagem fam

Depois de meses obrigados a estar em casa, finalmente chegaram os meses de verão e as tão esperadas férias para podermos relaxar. Ou não…

O meio de transporte preferencial para os portugueses, é em larga maioria o automóvel. Dado termos um país relativamente pequeno, conseguirmos facilmente chegarmos aos nossos destinos em 2, 3, 4 horas (agora, porque quando era garota de Lisboa a Castelo branco eram umas largas 5 horas), o que não é muito… para quem não tem crianças pequenas.

 

Estas horas multiplicam-se por 2 ou 3 quando temos estes pequenos “gremlins” nos bancos de trás, principalmente quando as viagens são de manhã, e estando elas fresquinhas, não se calam 20 segundos seguidos.

Falta muito para chegar?”, “tenho sede”, tenho fome”, doi-me as pernas”, tenho calor”,” não consigo ver nada com o sol”, “estou mal disposta” - Sim, é de fazer um enorme esforço para não cortar os pulsos! Não devo ser a única.

piadas

Uma boa técnica para os distrair passa por contar algumas piadas, ou as aclamadas piadas secas. Os miúdos adoram as piadas curtas com recurso a trocadilhos da Língua Portuguesa, que depois podem facilmente replicar e recontar a outras crianças e adultos.

Dependendo muito da idade, alguns não vão perceber as piadas à primeira, tendo de ser explicadas, mas o resultado será o mesmo: bastantes gargalhadas!!!

Aqui ficam algumas piadas que podem usar nesta experiência. Depois digam como se saíram, e se foi menos penosa a viagem. :P

 Como se chama a neta do super Mário? Marioneta.

Quem é o mais velho, o sol ou a lua? A Lua, porque já pode sair à noite.

Qual o nome do peixe que caiu do décimo andar? Aaaaaaaaah, Tum!

 O que é que uma mãe feiticeira diz à filha feiticeira? Não devias ter feit’ isso!

O que diz um tomate para o outro? Tu matas-me.

Para que é que o salmão fuma ?- para ser salmão fumado.

O que diz a manteiga ao pão quente ?- quando passo por ti derreto-me toda.

Vendem camisas de noite? Não, de noite estamos fechados.

Está escuro, não está? Não sei, não consigo ver.

O que é que a zebra diz ao mosquito? Estás na minha lista negra!

O que é um fuinho? É um buaquinho na parede.

Porque é proibido fumas nos aviões? Porque o exemplo tem de vir de cima.

Conheces a piada do elevador? Não, vim pelas escadas.

Qual é o cúmulo da força? Dobrar uma esquina.

Qual é o cúmulo do egoísmo? Não digo.

O que é pior do que encontrar uma minhoca dentro duma maçã? Encontrar meia minhoca.

Qual é o cão mais fixe? O dálmata, porque tem muita pinta.

Um coelho e um ouriço nasceram há um ano. Quem é o mais velho? O ouriço, porque tem um ano e picos.

Porque é que os elefantes não praticam boxe?Porque têm medo de apanhar na tromba.

O que diz o tubarão para a “tubaroa”? Tu baralhas-me.

Conheces a piada do iogurte?

– Não.

– É natural

Sabem porque é que a pizza chora no funeral? Porque é familiar.

 Iam dois amendoins na rua…… um contou uma anedota, o outro descascou-se a rir.

Para que servem os óculos verdes? Para verde perto…

Para que servem os óculos vermelhos? Para vermelhor…

O que é um ponto verde no canto da sala ? É uma ervilha de castigo.

A que horas acordam os cactos? Às oito e picos.

O que diz uma impressora para a outra? Essa folha é tua ou é impressão minha

Como se chama o rei dos queijos? Reiqueijão!

O que diz o livro de Matemática para o livro de Português? – Não me venhas com histórias que eu já estou cheio de problemas!

Há um terramoto e todas as coisas caem, menos uma. Qual? O champô anti-queda.

Um peixinho pergunta ao outro:

– Que faz o teu pai?

– Nada, e o teu?

– Nada, também!

Porque é que há um trampolim no Pólo Norte? Para o urso polar.

Porque é que o pinheiro não se perde na floresta? Porque tem um mapinha .

Para onde é que o mamão vai de férias? Papaia!

 

 

Hora de Ler! - Mãe, fui devolver o mano

Mima Contando, 20.07.20

devolver

 

Tendo como base o desafio que me propus, de fazer review de livros somente de autores de Língua Oficial portuguesa, desafiei uma amiga, funcionária da Livraria Pitau, da cidade das Caldas da Rainha, a apresentar-me novos autores.

Acredito que, em milhões de falantes que somos, certamente há muita qualidade por descobrir. Autores que têm mensagens importantes, e que muitas vezes por serem editados por editoras menos conhecidas, não têm o devido reconhecimento no mercado, e por todas as razões e mais algumas, temos de falar deles.

 

Tendo lançado este desafio é claro que não fiquei dececionada.

“Mãe, fui devolver o Mano”” das Edições Livro Directo e da autora Celina Lopes, apresenta-se como um livro ideal para desconstruir o medo e os ciúmes que as crianças sentem à chegada de um novo ser nas suas vidas.

Se por um lado ter um irmão é algo fantástico e emocionante, trará evidentemente grandes mudanças na vida das crianças mais velhas, que até então tinham os pais e todas as atenções familiares focadas neles.

De linguagem simples e muito divertida, esta experiência é vista pelos olhos de um menino, utilizando expressões e pensamentos muito próprios das crianças pequeninas. Arranca facilmente sorrisos das crianças ao longo da história, e o desfecho deixa-os enternecidos.

Muito ao jeito do filme Babyboss, que fez um enoooorme sucesso cá para casa, este livro é na verdade um ótimo guia de trabalho para qualquer educador na hora de abordar o tema “Vou ter um irmão, e agora?”.

Andreia D.

Hora de ler- HEIDI!

Mima Contando, 12.07.20

heidi 1

 

Sabem aquele arrepio que vos dá na espinha, quando estão na casa dos vossos pais e os vossos filhos gritam “ Avó, vou brincar para o quarto da mamã”?? pois… isso dá-me várias vezes! Aquelas mãozinhas pequeninas têm a capacidade de encontrar coisas que já nem sabíamos que existiam!

 

De certa forma, queremos deixar congelado no tempo e impenetrável, aquele lugar de infância e juventude só nosso, para só nós lá voltarmos quando quisermos. Nunca contamos é que, para os nossos filhos, é um mundo inteiro por descobrir.

Ao longe ouvi, “ WOW, tão giro…” fui a correr e vi que tinha entre mãos um dos meus livros de infância preferidos, a coletânea das revistas da HEIDi editadas e vendidas em 1976 pela editora LIBER - Editora e Publicidade Portugal Brasil, Lda.

A minha primeira reação foi gritar-lhe “NEM PENSES EM ESTRAGAR ISSO!!!!!”, mas depois vendo aqueles olhinhos de espanto, apercebi-me o quanto os nossos livros de infância ainda podem mexer connosco!

Heidi 2

Embora seja da geração de 80´s, e estas revistas já não se vendessem “no meu tempo”, fui presenteada com a coletânea de revistas volume 1 e 2 (também foi editado o 3º volume que nunca cheguei a ter) que levava para todo o lado. Estas revistas, além de contarem em BD uma História das aventuras de Heidi e dos seus amigos Pedro e Clara, tinham também atividades e até propostas de receitas para os mais pequeninos.

Heidi, foi imaginada pela escritora suíça de contos infantis Johanna Spyri em 1880. Desde então, esta menina de 5 anos, encanta gerações atrás de gerações, talvez pela sua simplicidade e pureza a par do seu grande amor à natureza, aos amigos e à família.

Longe das histórias de princesas, Heidi encarna o papel que qualquer menina poderia ser, tendo um avô igual a tantos outros da nossa geração. Chegávamos até a ter alguma inveja por viver num país geograficamente tão diferente do nosso, com os Alpes e principalmente com NEVE!!!!

Se procurarem em livrarias antigas ou on-line certamente encontrarão.

Estes livros foram guardados para ela… e hoje a Andreia pequenina entrega a medo estes livros tão precisosos que tanto a fizeram feliz, para que a filha possa também começar a ler e a sonhar com a pequenina HEIDI.

TABLET não és bem-vindo à mesa!!

Mima Contando, 08.07.20

tablet

Para muitas famílias a hora das refeições significa problemas, medições de forças constantes entre crianças e pais.

Entre a dificuldade para comerem comida saudável e os múltiplos aparelhos electrónicos, muitos pais ficam loucos à hora das refeições, para os fazerem engolir umas garfadas.

 

Embora não querendo, e não seja primeira opção dos pais, eles conseguem ser tão insistentes e persuasivos, que para evitar birras e gritos, lá cedemos a dar o tablet ou ter a TV com os canais dos bonecos ligada.

Não critico! não somos pais perfeitos e não queremos estar sempre em tensão e gritar com eles, precisamos de alguma paz e minutos de silêncio que o veneno/ópio do tablet nos trás.

 

Durante os meses da quarentena decidi que as tecnologias à mesa tinham de acabar e focar-nos a ter hábitos de conversa à mesa entre todos. Claro está, teve de ser com muita delicadeza na forma como dava a volta à situação.

Felizmente tenho uma mini-varanda na sala que nos permite, nos melhores dias, almoçar “ao ar livre” longe da televisão.

 

De forma a distrai-la, comecei a introduzir alguns jogos para que pudéssemos jogar entre garfadas, umas pela própria mão, outras dando-lhe eu sem ela se aperceber.

 

Jogo dos Opostos: Um membro da família diz um adjetivo, o outro tem de dizer o contrário (quente- frio, alto- baixo, etc,)

Jogo das Descrições:  Um membro da família diz um objecto, outro explica o objecto sem mencionar o nome e a uma terceira pessoa tenta adivinhar. Vai rodando entre todos.

Jogo das Profissões: basicamente o mesmo do anterior.

Jogo do Plural:  É um óptimo jogo para aprofundar o conhecimento da língua portuguesa, e confesso que, até a nós aos adultos surgem algumas dúvidas, sobretudo nas palavras compostas. (limão- limões, cão- cães).

 

Connosco tem funcionado. Muitas vezes já é ela que pergunta “Vamos jogar um jogo??? “. Embora às vezes não apetecendo nada lá embarcamos, pois a alternativa é o Tablet, que não é bem-vindo à mesa.

 

Andreia D.

 

 

 

7 de Julho dia mundial do Chocolate- UAU TEMOS MOUSSE!

Mima Contando, 07.07.20

mousse chocolate

 

Não podíamos deixar de comemorar este dia, sem um ícone da nossa gastronomia, a MOUSSE DE CHOCOLATE!!!

Faz parte das nossas recordações de infância,  momentos felizes como as nossas festas de aniversários ou dos amigos. Inconscientemente ou não, tendemos a de vez em quando, refugiarmo-nos no doce e suave sabor do chocolate de uma mousse, para votarmos de novo a ser criança.

 

 

 

Claro que quando passamos dos 30 começam as auto-recriminações por ingerirmos uma sobremesa dulcíssima e demasiada calórica, a par dos sentimentos de culpa por dar às crianças esta sobremesa.

Assim, desta vez tentei fazer uma mousse de chocolate VEGAN.

Não, não sou VEGAN nem me vou tornar( por agora), mas creio que, como em tudo na vida devemos retirar o lado positivo e que nos agrade de todas as coisas.

A gastronomia vista pela filosofia VEGAN (que não incorpora nada de origem animal), tem muito de bom e podemos incorporar numa dieta dita normal, além de se misturar muito facilmente com a nossa dieta mediterrânica.

Assim tentei reinventar e fazer uma Mousse VEGAN, sem ovos e com pouco açúcar:

Partilho convosco a minha (tentativa de) Receita :

- 1 lata de leite de côco ( 400ml) – usei da marca BIO do ALDI. O leite de coco relativamente a outros leites vegetais tem mais gordura e por isso deixa as sobremesas mais cremosas;

- 3 colheres de sementes de Chia- A chia tem de ser sempre hidratada para ser consumida e uma vez hidratada te a particularidade de se tornar gelatinosa ligando muito bem os líquidos;

-  3 colheres de sopa de CACAU 90%;

-2 colheres de sopa de Açúcar de Coco ou de Geleia de Arroz.

( Pode-se optar para ficar mais consistente, adicionar cerca de 2g de gelatina vegetal em pó).

Misturar todos os ingredientes dentro de uma liquidificadora e deixar bater 2- 3 minutos até a chia estar bem triturada.

Deitar em tacinhas e frigorífico com ela.

Claro que fez as delicias da pequena! Acompanhou o processo, cabendo-lhe a ela juntar os ingredientes, e obviamente, aproveitar os restos das tigelas, deixando-a com chocolate até às pestanas!

Deliciem-se e digam como ficou as vossas!

Andreia D.

Sábado é dia de PANQUECAS!!

Mima Contando, 04.07.20

panqueca

 

Sábado 7 da manhã, a pequena salta da cama e pergunta:

"Mãe , hoje podemos fazer panquecas, podemos ?"

"Bora lá então ..."- Disse-lhe eu.

 

 

 

Durante a quarentena as panquecas eram quase uma constante diária cá em casa. Como são muito simples e muito rápidas de se fazer, pois fazem-se em menos de 15 minutos, dava tempo da pequena comer, mesmo antes da telé-escola.

Hoje as panquecas foram feitas a 4 mãos, ela encarrega-se de mexer os ingredientes, e eu de as fazer no fogão.

Deixamos-vos uma sugestão de receita:

- 1 ovo

- 2 colheres de açúcar mascavado/ amarelo ou então em substituição açúcar de coco ou geleia de arroz.

- 1 iogurte de aroma (banana, côco, morango)

- Flocos de aveia, sementes de chia – demolhado em leite e amolecido no micro-ondas. (opcional)

- Farinha de trigo ou de faz-se uma mistura com centeio, aveia, alfarroba.

- Óleo de coco para untar a frigideira.

A consistência da massa para a panqueca deve ser quase como a massa de bolo para ficarem altinhas. A altura ideal para virar a panqueca, é quando começa a fazer umas pequenas bolhinhas, na parte que está para cima. Quando chegar a esta altura, é hora de tentar malabarismos de virar a panqueca e tentar acertar no meio da frigideira.

Há sempre gargalhadas há mistura!

Por fim, no prato adiciono sempre uma fruta para um pequeno almoço completo: morangos, pêssegos, maçã.

Hoje também teve direito a um bocadinho de doce de morango, mas também pode ser um bocadinho de chocolate derretido ou raspado.

Se preferirem, também fica muito saboroso e colorido, junta-se logo à massa mirtilos, arandos, ameixa em passa. Cá por casa faz sucesso!

Cozinhar também é fazer experiências, há mil combinações de panquecas, é só soltar a imaginação e perguntar aos mais pequenos o que preferem.

Aventurem-se e divertirem-se em família!